ADRIANA AZENHA



abril e junho 2013

A Boa Loukura (Performance)

Pesquisa de linguagem em interpretação cênica sob a direção de Kabila Aruanda com a participação de Simone Donatelli, criadora do videoarte que traduz minha transformação ao longo dos encontros.

“O real sentido da vida é inventar”
(N.A.)

Provocada pelo poema de Negra Anastácia “Os Bons Loucos”, que positivava a loucura, dando a ela liberdade e expansão, desejei investir no meu próprio processo criativo, me despir dos meus acertos e de minhas convenções estéticas.

O Ateliê UAP é um espaço que reinventa a existência. Um salão repleto de distorções de imagens conhecidas, um lugar que nunca está no lugar. A cada visita pode-se desvendar um novo nicho, um objeto salta aos olhos, figurinos e adereços surgem de forma orgânica. Entre pausas e cafés, entre o trânsito de outros artistas e de pessoas do entorno que interagem naturalmente com a obra em construção, tudo parece fazer parte. A criação se organiza no caos e o melhor a fazer é acolher todas as interferências, sem planejar. Considero a experiência fundamental para artistas que pretendem desconstruir para construir de novo. Residir na UAP é transformador!

“Os loucos nos assinalam que a realidade é muito chata e insubstancial”
(N.A.)